domingo, 11 de março de 2018




UM PRETO DE CABELEIRA LOIRA E UM BRANCO DE CARAPINHA NÃO É NATURAL....




De certeza que todos se lembram da publicidade, que há muitos anos, passava na televisão portuguesa recomendando o uso do restaurador para o cabelo marca OLEX, com a frase em título.

Sirvo-me desse anúncio para contar uma peripécia, que aconteceu aquando da nossa presença em Henrique de Carvalho e em que fui um dos protagonistas.

Mas antes, de contar os factos, quero esclarecer que tanto eu, como o outro figurante nada tínhamos, nem temos, contra as pessoas de cor. Aqui nada houve de racismo ou xenofobia E, demonstrativo disso é que nos nossos amigos havia pessoas de todas as cores e que convivíamos com elas da melhor forma.

Assim: estávamos quase a acabar a comissão e depois de uma noite de copos, bem passada, já de manhã, sem saber como, ainda hoje estou por saber, entramos numa porta ao lado do Café-Restaurante Lux. Fomos dar a uma dependência onde se encontrava um funcionário, do mesmo, a confecionar bolos: bolas de Berlim. Ao aperceber-se da nossa presença, como lhe competia, e bem, impôs-se, e mandou-nos sair. Palavra puxa palavra e a situação começou a complicar-se. Eu até compreendi e estava disposto a abandonar o local, mas o outro interveniente, um pouco mais eufórico, entrou, com um certo sentido de humor, na discussão e no meio dela proferiu a seguinte frase: queres ver que vou transformar um preto em branco!!!!!! Então eu reparo que ele estava a olhar para uma caixa que continha farinha para a confeção das ditas bolas de Berlim. Aqui eu vem tentei demovê-lo, mas não consegui, e vai daí, num ápice, ele despeja a farinha na cabeça do funcionário. Resultado: aparentemente, ele ficou branco.

Depois do acontecido, houve uma reação, natural, do ofendido, que investiu sobre o ofensor. Só nos restou desaparecer rapidamente do local, evitando assim outras consequências.

Seguidamente, como era Domingo, vestimos-nos à civil e ao fim do dia passamos pelo restaurante, e em conversa com o seu proprietário, o saudoso Snr. Castro, ele contou-nos o que tinha acontecido, lamentando-se não ter podido servir aos clientes a guloseima. Nós, claro, também, lamentamos, e fomos ouvindo da sua boca que se soubesse quem tinham sido os causadores do prejuízo que lhes não perdoava. Nós concordamos...........

Sobre o outro elemento, "o chamado bandido da ocorrência", não o identifico nem lhe aponto o dedo, mas dadas as circunstâncias, não será muito difícil chegar até ele. Eu, eu tudo fiz para que nada de mal ocorresse; só tive o azar de estar em hora errada no sítio errado e com a pessoa errada. Mas a verdade é que estávamos quase sempre juntos.

Face à pseudo-transformação da vítima, lamento, pois, sou de opinião, como também se dizia no anúncio: O QUE É NATURAL É CADA UM SER COMO É.

Enfim, mais um momento dos muitos que passamos, e que, ainda hoje, com alguma nostalgia, nos fazem lembrar a irrequietude dos nossos vinte anos.

Carlos Amaral


Sem comentários: