quarta-feira, 7 de dezembro de 2016



NATAL




QUE A PAZ E A HARMONIA FESTEJADAS NO NATAL ESTEJAM PRESENTES EM TODOS OS DIAS DO NOVO ANO. BOM NATAL E BOAS FESTAS, SÃO OS VOTOS DO NOSSO BLOG PARA TODOS OS NOSSOS CAMARADAS E SEGUIDORES.

domingo, 6 de novembro de 2016



C.T.T.

Os Correios, mais vulgarmente conhecidos pela sua sigla CTT, prestam um serviço de envio de documentos e embalagem entre um remetente e um destinatário, que podem estar em localidades muito distantes entre si. Em todos os países existem serviços idênticos. 

Os primeiros serviços organizados, para o efeito, remontam a 2400 anos A.C.. Os egípcios no século XII A.C. já tinham um serviço permanente de correios, através de mensageiros. Com o decorrer do tempo outras civilizações foram alterando os seus métodos, tornando-os cada vez mais eficientes. Os Cretenses e os Fenícios foram os primeiros a utilizarem pombos e andorinhas.

Em Portugal, o Rei D. Manuel I, em 1520, criou o primeiro serviço de Correio Público e o cargo de Correio-Mor. No entanto, este cargo foi extinto pela Rainha D. Maria I em 1798.

Na cidade de Henrique de Carvalho, pela sua importância em termos Provinciais, existia uma estação dos C.T.T., conforme a foto que apresentamos. Todavia, as Forças Armadas Portuguesas tinham um serviço postal próprio, pelo que pouco dependíamos de tal entidade. Servíamos-nos, sim, dos seus serviços telefónicos e telegráficos, pois além da componente postal também administravam a rede dos mesmos. 

Estação dos CTT de Henrique de Carvalho
Impresso de Notificação com marca do dia
Telegrama com marca do dia

Fonte consultada: Wikipédia, a enciclopédia livre
Foto do edifício: Internete
Foto dos impressos: Do meu baú de recordações



sábado, 29 de outubro de 2016

quarta-feira, 26 de outubro de 2016


ESCRITURÁRIOS

Estes eram os homens das canetas e das esferográficas. Tinham uma especialidade que todos aqueles que pretendiam uma vida, militar, mais calma desejavam. Pelas funções que desempenhavam, praticamente, estavam livres de serem operacionais. Na nossa companhia era vê-los pelas várias secretarias: da Companhia, do Comando, das Operações, etc, etc.

A sua formação, depois da recruta, era feita em Leiria, no Centro de Instrução Nacional de Amanuenses, antigo RAL4, integrando a seguir, na sua maioria, as várias Unidades que eram mobilizadas para o Ultramar.

Na foto que se apresenta, em baixo, não está presente o Furriel Frutuoso que tinha a especialidade de Amanuense, por não possuirmos qualquer foto sua. O último em baixo, à direita, não pertencendo à nossa Companhia desconhecemos o seu nome.
  
Em pé: Raul, Pinto, Relvas e Reis (Falecido)
Em baixo: Antero, Freitas(Murça), Adrião e ???????

Foto enviada por Raul




UMA DÚVIDA???????????

Que pretendem mostrar estes nossos amigos? Dotes futebolísticos ou as suas belas pernas para o efeito??????

Raul, Roque (PAD) e Serrão (Pel. Morteiros)


Foto enviada pelo Raul

segunda-feira, 24 de outubro de 2016



 
"PARA ANGOLA RAPIDAMENTE E EM FORÇA"


Foi esta a frase que Oliveira Salazar transmitiu ao País, após o primeiro ataque, em Luanda, feito por "Movimentos de Libertação" contra a Administração Colonial Portuguesa naquela cidade. Tal acontecimento marcou o início da Guerra Colonial. A seguir situações idênticas aconteceram em Moçambique, Guiné-Bissau e Cabo Verde. Esses movimentos viriam a ser apoiados por várias potencias internacionais. Tal conflito, que durou durante treze anos, provocou nas nossas forças 8803 mortos e 15507 portadores de deficiências várias;

MORTOS:


ANGOLA

1961/1974

3423

MOÇAMBIQUE

1964/1974

3099

GUINÉ – BISSAU

1963/1974

2281


Fontes:   “Correio da Manhã

                 ROINES XXI




domingo, 23 de outubro de 2016


DESERTORES


Notícia publicada no  
 com data de 21 de Outubro de 2016 que transcrevo:


O número de militares do Exército Português que desertaram entre 1961 e 1973 ultrapassou os oito mil, segundo uma investigação dos historiadores Miguel Cardina e Susana Martins que vai ser apresentada num colóquio sobre deserção e exílio.


"Este número, baseado em fontes militares, é um número que peca por defeito e refere-se ao período entre 1961 e 1973. É bastante acima de oito mil e é um número importante porque, até agora, não tínhamos dados sobre o pessoal já incorporado", disse à Lusa Miguel Cardina, um dos autores da análise histórica sobre o fenómeno da deserção da Guerra Colonial.

Miguel Cardina antecipou à Lusa algumas das conclusões do estudo que será apresentado na próxima quinta-feira na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, em Lisboa.

"Tínhamos algumas referências a números mas eram parcelares e faziam eco de um certo tipo de deserções. O que nós vamos mostrar é que a deserção é um fenómeno mais complexo do que aquilo que se considerava", explicou.

Os historiadores do Centro de Estudos Sociais (CES), da Universidade de Coimbra, vão apresentar os dados finais do estudo no colóquio "O (as)salto da memória: histórias, narrativas e silenciamentos da deserção e do exílio", que se realiza na quinta-feira.

De acordo com os investigadores, o número definitivo do novo estudo sobre militares que desertaram da Guerra Colonial "pode pecar por defeito" porque ainda não é possível contabilizar os dados referentes a todos os territórios e o estudo tem como base apenas fontes do Exército.

O Código de Justiça Militar definia como desertor aquele que não comparecia na instalação militar a que pertencia num prazo limite de oito dias.

Segundo Miguel Cardina, para compreender o fenómeno da recusa de ir à guerra, além dos militares que desertaram, é preciso também considerar os refratários - jovens que faziam a inspeção mas que fugiam antes da incorporação - e os faltosos, que nem sequer faziam a inspeção militar.

"Temos dados que indicam que entre 1967 e 1969 cerca de dois por cento dos jovens que são chamados à inspeção foram refratários. Este número é certamente superior ao número dos desertores. Os faltosos são aqueles que nem sequer se apresentam à inspeção. Dados de 1985 do Estado-Maior do Exército indicam que cerca de 200 mil terão abandonado o país. Na década de 1970, cerca de vinte por cento dos jovens que deveriam fazer a inspeção já não se encontravam no país", indicou o historiador do CES.

Para Miguel Cardina, o "processo de afastamento e fuga" da estrutura militar deve ser estudado com profundidade e, por isso, o estudo começa pelos desertores - porque não existiam números conhecidos até ao momento - mas frisou que é preciso considerar as outras categorias: os refratários e os faltosos.

"Temos de colocar estas três categorias na mesma equação, sabendo que elas são diferentes e têm uma ligação com o fenómeno da guerra, também ela diferente. É natural que, no quadro dos faltosos, a guerra possa estar presente mas não tem o mesmo peso que tem nos refratários e também nos desertores", explicou.

Segundo o historiador, o "fenómeno dos faltosos" cruza-se com o fenómeno da emigração, sendo que uma boa parte destes jovens não estavam a "fugir da guerra" mas também da falta de perspetivas de futuro, ou seja, "a guerra podia ser" uma das motivações para o ato de emigrar.

A primeira conclusão do estudo indica, sobretudo, que a Guerra Colonial tem ainda aspetos de natureza historiográfica que é preciso aprofundar e torna evidente que a temática do exílio, da deserção e da recusa da guerra precisa de ser estudada.

Para o historiador, a ação do Movimento das Forças Armadas (MFA), em 1974, "é sem dúvida central" mas o processo revolucionário que se desencadeia logo a seguir só pode ser compreendido se percebermos que havia forças políticas e sociais que vinham a construir uma outra forma de olhar o país e a construir uma contestação à ditadura e à guerra colonial.

Sobre os militares que desertaram, Miguel Cardina indicou que "todas as histórias de fuga são individuais" e que, por isso, devem ser tidos em conta os portugueses que vão para a África e que desertam das colónias, refugiando-se em Argel ou na Europa, assim como os africanos incorporados nas forças portuguesas.

Cardina frisou que, nos anos finais do conflito colonial, há um fenómeno de africanização das tropas, "porque havia pouca gente e, por isso, havia necessidade de soldados para a guerra", verificando-se que muitos africanos incorporados na tropa portuguesa constituem, em muitos casos, um fluxo específico de deserção.

O colóquio é organizado pela Associação dos Exilados Portugueses (AEP61-74), Centro de Documentação 25 de Abril, Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra, Centro em Rede de Investigação em Antropologia (CRIA) e Instituto de História Contemporânea.

Vão estar presentes, além de Miguel Cardina e Susana Martins, os historiadores Rui Bebiano, do Centro de Documentação 25 de Abril, Victor Pereira, da Universidade de Pau, em França, e os historiadores Irene Pimentel, Sónia Ferreira, Cristina Santinho, Sónia Vespeira de Almeida e Cristina Santinho.

Sobre o tema, vê aqui: Catarina Gomes no Jornál "PÚBLICO" em 21ABR2016

domingo, 16 de outubro de 2016


COMPANHIA DE CAÇADORES 2698

O jornal "Correio da Manhã" na sua edição de 08 de Maio de 2016,  e da autoria do seu colaborador Leonel Ralha, publicou a narração, de alguns momentos vividos pelo do nosso camarada António Garcia, durante o tempo da sua comissão . Pelo seu interesse, transcrevemos essa citação.  


“Vi uma surucucu a 20 centímetros” 

Junto ao monumento do único morto que tivemos na nossa Companhia


Embarcámos no ‘Pátria’ a 27 de abril de 1970. Íamos no porão, abaixo do nível de água, e depois da Madeira mudei-me para o convés, onde se conseguia dormir. Lá em baixo, a higiene era pouca e o calor insuportável. Demorámos dez dias e dez noites a chegar a Luanda, onde nos meteram num comboio, que era mais para transporte de animais, para o Grafanil. Nos quatro ou cinco dias à espera de transporte, visitámos a fábrica da Cuca, para nos adoçarem o bico. Bebemos umas cervejadas. 

Partimos, passando por Vila Salazar e Malanje, onde dormimos. Deitei-me debaixo do autocarro, que estava mais fresco, e os nativos vieram pedir as sobras da ração. Havia lá muita miséria. No dia seguinte, 3 de junho, almoçámos em Henrique de Carvalho e fomos 180 quilómetros para o interior, até Chimbila, onde ficámos 18 meses.

 Não tínhamos ainda 24 horas no aquartelamento quando bateram à porta, às duas da madrugada, para levantarmos uma ração. Os ‘turras’ tinham assaltado uma sanzala e levado gente, e o meu pelotão foi escalado para seguir no encalço, com uma secção da companhia dos ‘velhinhos’. Fizemos 40 quilómetros de Unimog e começámos a perseguição, com ajuda de aldeões que tinham fugido. Em dois dias no mato, não conseguimos detetá-los e, ao ficarmos sem mantimentos, fomos para a sanzala do Peso. De manhã, foram buscar-nos e voltámos para o quartel. Passados dois dias, saiu outro pelotão e também não recuperou ninguém. Aliás, se eles fossem espertos, até à mão nos agarravam. A floresta é cerrada e tínhamos de ir em fila indiana, sem perder de vista o colega da frente.

 COBRAS NO CAPIM 

O meu pelotão fez outra operação para tentar apanhar um comandante da guerrilha, a quem chamavam o ‘Paciência’, e que tinha muita tática de guerra, na zona do rio Casange, a 80 quilómetros do aquartelamento. Certa vez, estava eu deitado no capim, a descansar, encostado ao saco dos mantimentos, quando ouvi um ruído estranho. Levantei-me, devagarinho, e vi uma surucucu a 20 centímetros de mim. A gente não podia dar fogo, mas o guia matou-a à paulada. 

Algum tempo depois, estando a dormir, encostado a uma árvore, acordei com uma cobra preta perto da cabeça. Calquei-a com as botas de cabedal que levava nas saídas para a mata. Só de manhã vi que tinha uns 60 centímetros. Apanhei uns sustozitos.

 Havia no aquartelamento uma companhia de artilharia a dar apoio à construção de uma estrada. E nós protegíamos os condutores dos camiões que levavam terra para a niveladora. Os ‘turras’ fizeram umas rajadas e feriram um condutor. E a 28 de novembro de 1971, na povoação de Samaína, rebentou uma mina, que matou o Cruz, único da companhia a morrer. Não era para estar ali nesse dia, mas trocou com outro. Também morreu um soldado da companhia de artilharia.

 Era muito duro, mas os últimos meses, em Dundo, onde estava a sede da Diamang, já foram umas férias. Tínhamos um dia por semana para usar a piscina, outro dia para ir ao cinema, eletricidade e assistência médica. Em Chimbila, passou-se muita fome e muita sede. Tínhamos de ir buscar água potável a 20 quilómetros do aquartelamento. 

Regressámos a 26 de junho de 1972. Mas para cá já viemos de avião. Seis horas de viagem em vez de dez dias. 


  ANTÓNIO GARCIA   Comissão   Angola (1970-1972) Força   Companhia de Caçadores 2698 Atualidade Tem 67 anos, é aposentado. Casado, tem um filho

sábado, 24 de setembro de 2016


SARGENTO GREGÓRIO


Sabendo da proximidade que existiu entre a figura em assunto, vitima de um acidente de guerra, e o nosso amigo Raul, pedi-lhe para nos falar do mesmo. A seguir transcrevo o seu relato na íntegra. Esta é uma forma de nos podermos lembrar e homenagear um homem que nos deixou boas recordações.


Amigo Amaral, é com muito gosto que aceito falar do Sargento Gregório.
Naturalmente todos reconhecemos que já passaram 46 anos, mas este teste ao nosso alzheimer é bem aceite.
Pois bem, o Sargento Gregório era um homem simples e de bom trato. Notava-se perfeitamente que os seus conhecimentos administrativos podiam não ser muitos, mas foi-lhe entregue a responsabilidade de "levar" a nossa Companhia para Angola. E reconheçamos que tudo correu bem. Naturalmente que também ter como Comandante de Companhia o nosso amigo Capitão Fernandes, tornava o trabalho administrativo facilitado e eu que o diga, pois os Sargentos que se seguiram só faziam os mapas do rancho e pouco mais.
É verdade que apenas convivemos cerca de 5 meses e como bem sabem, apesar da "distância", hierárquica, foi gratificante conviver com o Sarg. Gregório. Podem ver pelas fotos que envio, são prova da pessoa simples e que fazia da tropa o seu futuro, mas sem "pisar" o seu subordinado. Convivia com grande naturalidade mais facilmente com as praças.  Depois foi para a sua Companhia que era a 2697 e, como se devem lembrar, pelo menos foi essa a notícia, morreu quando com outro camarada, manejavam armas. Enfim, ....... Paz à sua alma. Aproveito para lembrar que este desenlace ocorreu em 14 de Fevereiro de 1971.

Sinceramente fiquei muito satisfeito em recordar a memória do Sarg. Gregório e quero enviar-lhe o meu abraço onde quer que esteja.
Se eventualmente a sua família que é de Braga tomar este conhecimento, fico ao dispor para eventual contacto.

Realmente .......... AS ARMAS TAMBÉM UNEM OS HOMENS

Amigo Amaral, o meu abraço para ti e extensivo a todos os nossos antigos companheiros de armas.

Raúl Ramos
 
Armindo (SPM) - Pinto (Escrt) - Sarg.Gregório - Serralha (Maq) - Raul (Escit)

Sarg. Gregório - Raul
Raul - Sarg. Gregório

sábado, 10 de setembro de 2016

RAÇÃO DE COMBATE




A ração de combate é uma comida empacotada e que é facilmente preparada para ser consumida pelas tropas, quer em combate, quer em deslocações, quando não é possível ser-lhes servida uma alimentação convencional. Sendo uma refeição ligeira não deixa de cobrir as necessidades nutricionais básicas dos seus consumidores. Todos nós, uns em operações, outros nas deslocações que fizemos de Luanda para Henrique de Carvalho e vice-versa, tivemos a experiência do que é alimentarmos-nos de tal forma.


Foto enviada por Raul R.Ramos 

domingo, 4 de setembro de 2016


Monumento aos Combatentes do Ultramar



Este monumento foi construído em homenagem a todos aqueles que tombaram ao serviço da Pátria, durante a Guerra do Ultramar (1961 a 1974).

Para que se pudesse conceber o monumento houve que definir objetivos, sendo os mais importantes, os seguintes: 

1) - Cumprir um ato de justiça, de homenagem àqueles que, como Combatentes, serviram  Portugal no ex-Ultramar Português;

2) - Exercer uma ação cultural e pedagógica de exaltação do amor a Portugal; 

3) - Traduzir de uma forma simples, mas duradoura e pública, o reconhecimento de Portugal a todos esses combatentes.

Uma vez definidos os objetivos a tomar em conta no projeto do Monumento, houve que escolher o local em que este deveria ser implantado. Assim, e com a concordância do Exmo. Senhor Ministro da Defesa Nacional, do Estado-Maior do Exército, do IPPAR e da Câmara Manicipal de Lisboa, foi decidido construir o Monumento junto ao Forte do Bom Sucesso.





Fonte: Liga dos Combatentes
Foto:   Blog

segunda-feira, 15 de agosto de 2016


PALAVRAS QUE NOS TOCAM

Dada a grande ligação que tem ao nosso Batalhão, embora estando longe de todos nós, Canadá, o Jorge Neves, que pertenceu à Companhia de Caçadores 206, mas esteve connosco durante um período de tempo, o Xavier resolveu atribuir-lhe um Azulejo alusivo ao nosso último encontro, tendo eu feito o seu envio: Após a sua receção recebi um seu e-mail, que passo a seguir: 


«Meu bom amigo, acabei de receber, hoje dia 05 de Agosto, o cavalete com o mosaico alusivo ao 
26º encontro CCS / B. Caç 2911.

Anexo fotos.

Dizer que fiquei comovido será pouco, pois que fiquei com lágrima nos olhos.
Minha mulher estava ao pé e dizia, que eu vivia muito aquele tempo, e que me fazia mal. É verdade, mas não me faz mal. É uma alegria estranha e por aquela forma, me exteriorízo.

Do coração, agradeço esta lembrança que, para mim, é de enorme valôr. Foi a minha, a nossa mocidade.

Carlos Amaral, creio que o Xavier está metido nisto também, pois que pelo envelope  assim deduzi.
Para ambos, o meu abraço de cheio gratidão. 
Não somos senhores de nós mesmos mas, querendo Deus, podereis contar comigo no 27 ENCONTRO. Não vou conhecer ninguém, nem os nomes, salvo um ou outro mas, tudo culpa do filho da P.D.I»



As suas recordações militares, onde o nosso Batalhão está bem presente

O Jorge é o risonho

domingo, 14 de agosto de 2016


AÇÃO PSICOLÓGICA

A ação psicológica destina-se a influenciar as atitudes e o comportamento dos indivíduos. No caso das guerras travadas nas nossas ex-províncias ultramarinas, como subversiva que eram, esta missão tinha como fim: obter o apoio das populações nativas e, dessa forma, desmoralizar o inimigo, ao mesmo tempo fortalecer a moral das nossas próprias forças. 
Sobre as populações ela era exercida de forma a criar-lhes, ou pela menos iludi-las,  de um ambiente favorável à elevação do seu nível de vida, conquistando-lhes o seu apoio para a nossa causa. Essa ação era desenvolvida sob a forma de assistência sanitária, religiosa, educativa e económica.  
Ao longo da nossa permanência, várias foram as vezes que a nossa Companhia teve saídas para cumprimento dessas missões. Numa das fotos, que apresentamos, podemos ver os nossos Serviços de Enfermagem a prestar primeiros socorros a um jovem que padecia de uma enfermidade

A chegada a uma zanzala
O Domingues prestando assistência

Fotos enviados por: Domingues

Fonte consultada: Centro de Documentação 25 de Abril





sexta-feira, 12 de agosto de 2016



ÁGUA

A água é um bem importante para a nossa sobrevivência. Por tal motivo, a sua qualidade deverá ter determinados fatores que a tornem mesmo benéfica. A sua análise constitui um obejetivo primordial para que todos os seus consumidores salvaguardem a sua saúde. Todos sabemos, que pelos motivos a que estávamos sujeitos nem sempre esse bem tinha a qualidade devida. Para que os seus efeitos negativos não tivessem influência no nosso bem estar, estava a nossa Companhia, talvez  todo o Batalhão, preparada para fazer as devidas análises daquela que consumíamos. O responsável, sobre o comando dos Serviços de Saúde, era o António José BARATA que além deste serviço também desempenhava funções na farmácia. Lembrem-se dele???    


       


MANUTENÇÃO DE VIATURAS

Tinha a nossa Companhia, como todas as outras, uma frota de viaturas ao seu serviço. Como máquinas, que eram,  estavam sujeitas a desgastes e avarias. Assim, era importante, para as tornar sempre operacionais, que as mesmas fossem sujeitas a manutenções periódicas e também à reparação de avarias não previsíveis. Todos estávamos conscientes do que seria haver uma pane em plena "mata". Para todo esse serviço contávamos com uma oficina mecânica, que com bastante dedicação de todos os seus elementos, onde se tentava minorar todos os imprevistos. A seguir, para que todos se relembrem deles, passamos as fotos dos mesmos.  


De cima para baixo e da esquerda para a direita
Alferes Pimentel, Sarg. Cunha, Furriel Correia, Batista, Catalino, Chenita, ,
Borges, Gomes (Mecânicos), Cunha (Cor. e Estofador), Arez (Pintor-Auto), Delgado
: (Eletricista-Auto) e Pinto (Bate-Chapas)





SERVIÇOS DE SAÚDE

Para o nosso bem estar, em termos de saúde, tinha a nossa Companhia uma equipe de elementos com especialidades para que tal acontecesse. O bem estar de todos nós, dependia em muito  do nosso estado físico e mental. Essa equipe tudo fez, através do tempo, para que tal acontecesse. A mesma era composta por elementos formados nessa área. Assim, além de três médicos: Drs. Aguinaldo Cabral, Paulo Ramalho e José Santos Coelho e dos Auxiliares de Enfermagem: António Marques e Manuel Guedes Morais (evacuado), de quem não possuímos fotos, contávamos para o desempenho de tais funções com os elementos que a seguir apresentamos.  

De cima para baixo e da esquerda para a direita: Furriel Brito, Cardoso, Elias, Domingues, Serralha e Castro

Fotos enviadas por Domingues

quarta-feira, 10 de agosto de 2016


MOMENTOS DE BOA DISPOSIÇÃO
Cardoso, Elias e Domingues
Cardoso e Domingues
Fotos enviadas por Domingues

UMA MANHÃ NA PISCINA

De pé: Florêncio, Borges, Gomes, Pinto, Alcobia e Carmindo
Sentados: Arez, Raulino, Batista, Amaral, Catalino e Delgado


Foto enviada por Catalino



quarta-feira, 3 de agosto de 2016


PARA RECORDAR ( I )



De pé: Gomes, Batista, Delgado, Pinto, Arez e Catalino
Em baixo: Chenita, Borges e Sargento Cunha



Foto enviada por Catalino

PARA RECORDAR ( II)




De pé: Arez (Pintor Auto), Delgado (Elect.Auto), ?????????,Chenita (Mec.Auto-Rodas), Gomes (Mec.Auto-Rodas) Pimentel(Alferes), Oliveira(Reab.Mat), Pinto (Bate-Chapas), Raulino(Rad.Mont), Coelho(Cond.Auto.Rodas)
Em baixo: Cunha(Estofador), Vitor(Rad.Mont), Borges(Mec Auto-Rodas), Vieira(Rad.Mont), Batista(Mec.Auto), Catalino(Mec.Auto-Rodas), Adão(Reab.Mat), Rei(Cond.Auto-Rodas)


Foto enviada por Catalino

domingo, 17 de julho de 2016

Guerra do Ultramar A Cavalo - Dragões de Angola 1968/72





GRUPO DE CAVALARIA Nº 1 ANGOLA

Os Dragões de Angola constituíram as tropas a cavalo que o Exército Português empenhou na Guerra do Ultramar em Angola, no final da década de 1960 e início da de 1970. Historicamente, constituíram provavelmente as últimas tropas de genuínos dragões (infantaria a cavalo) a serem empregues em operações de combate.
A designação “Dragões de Angola” era apenas honorífica. Inicialmente aplicou-se como título meramente honorífico às unidades de cavalaria blindada e motorizada de guarnição normal em Angola. Como tal, foi aplicada sucessivamente ao Esquadrão de Reconhecimento de Luanda, ao Grupo de Reconhecimento de Angola e ao Grupo de Cavalaria n.º 1. Com o surgimento das subunidades de tropas a cavalo, a designação passou a aplicar-se mais especificamente a estas.
As unidades de dragões fizeram parte das guarnições dos territórios africanos de Portugal, desde o século XVIII até ao início do século XX. Em Angola e Moçambique, essas unidades ainda chegaram a ser empregues em combate contra os alemães, durante a Primeira Guerra Mundial. No entanto, pouco depois, essas unidades passaram a ser motorizadas e blindadas, mantendo, no entanto, o título honorífico de “Dragões”.
As tropas de Dragões – no sentido original e não honorífico do termo – ressurgiram no Exército Português, no contexto da Guerra do Ultramar. Em 1958 foi criada a primeira unidade da arma de Cavalaria, sedeada em Angola (Luanda) desde logo adoptando a designação de “Dragões de Angola”. Posteriormente veio a ser criado o Grupo de Reconhecimento de Angola, (mais tarde designado por Grupo de Cavalaria nº 1 ou GCav1),com sede na cidade de Silva Porto (Bié), integrando esse Esquadrão e dado origem à constituição de mais 2 esquadrões operacionais e um esquadrão de comando e serviços. Em Luanda ficou sedeado o ECav401 (1º Esquadrão), em Silva Porto o ECS e o ECav402 (2º Esquadrão) e na cidade do Luso o ECav403 (3º Esquadrão). Estas unidades estavam equipadas com blindados Panhard (EBR e ETT) de origem francesa, que haviam sido sujeitos às necessárias adaptações ao teatro operacional. Mais tarde foram também integradas unidades blindadas, de características diferentes, as AML. Esses veículos eram, preferencialmente utilizados em escoltas a colunas (militares ou civis), designados por MVL. Em 1966, devido às condições de combate no Leste de Angola, o Comando do Exército Português decidiu então criar um pelotão experimental a cavalo. Essa unidade mostrou-se ideal para a actuação na região, pois os militares a cavalo tinham uma boa visão do terreno coberto por capim elevado, conseguindo fazer uma aproximação silenciosa às forças inimigas.
O armamento padrão da unidade era uma espingarda G3, para uso em combate apeado, e uma pistola Walther P38, para tiro a cavalo. O seu sucesso foi de tal monta que a unidade experimental deu lugar a três esquadrões a cavalo, integrados no já citado GCav1. O GCav1 veio também a integrar uma unidade de atiradores de cavalaria, designada por CCav1407, com sedeado na povoação do Andulo. Esse sucesso incentivou ainda, no início da década de 1970, a criação de uma unidade deste tipo em Moçambique. Na atuação dos dragões destaca-se as operações onde estes “empurravam” as forças inimigas numa direção, as quais eram, posteriormente, cercadas por tropas, lançadas de helicóptero na retaguarda daquelas.
Autor de investigação:A.J.Gonçalves
Fonte: Associação Veteranos Combatentes Ultramar





sexta-feira, 15 de julho de 2016


FUTEBOL

A formação da foto representou o Batalhão num jogo de futebol. Os seus elementos não pertencem na totalidade à nossa Companhia, são de várias unidades que estavam adidas ao Batalhão. Assim, não consegui identificar todos e para o efeito peço ajuda a quem os reconhecer.


De pé: Higinio (Intendência), Santos, Domingues, (?) Raúl, Zé Henriques,
(?), Barroso e Lelo(2696)
Em baixo: Cunha, (?), (?), Quirino(2696) , Roque(P.A.D.) e Serrão(Pel.Mort.)

Foto enviada por Domingues

domingo, 10 de julho de 2016


NATAL / 1970

Esta data simbólica da nossa cultura serve de pretexto para se organizarem os mais diversos eventos. No nosso quartel tal tradição foi cumprida. Assim, no dia 23 de Dezembro levou-se a palco um espectáculo, que constou com uma representação de teatro, música tocada por um grupo, canções a solo, etc, etc.. Estiveram presentes, na assistência, todo o comando, oficiais, sargentos e praças, bem com um bom número de elementos femininos ligados a pessoal militar, como se poderá constatar na foto. A organização esteve a cargo do Furriel Jorge Felizardo que teve como assistente na parte técnica do 1º Cabo radio-montador Vieira


Alferes Cornélio Caley, Major Estorninho, Comandante, filha e esposa(D. Manuela)
Em segundo plano Alferes Amaral e Pimentel. À direita o Jorge Felizardo e o Vieira
atentos à programação do espetáculo

O palco com o Vieira e o Jorge Felizardo

Outra foto do palco com os mesmos elementos
Fotos enviadas pelo Jorge Felizardo Neves


sábado, 9 de julho de 2016


FOTOS

Entre outras foram-nos enviadas, pelo nosso camarada Jorge Felizardo Neves, fotos tiradas em dias em que esteve de serviço.



"O FURRIEL"

O nosso camarada Jorge Felizardo Neves presentemente a viver no Canadá, pertencia à Companhia de Caçadores 206 e esteve deslocado no PC/AV do Dala. Quando regressou ao nosso quartel fazia-se acompanhar pela
espécie animal da foto, a quem "batizou" com o nome de "Furriel". Para nós, metropolitanos, tal animal era motivo de curiosidade e as suas traquinices eram bastante admiradas. Embora não pertencendo ao nosso Batalhão, o Jorge considera-se um dos nossos, chegando mesmo a afirmar: "Este Batalhão é parte integrante da minha vida". É sua intenção estar presente no próximo convívio em Leiria.

O "Furriel"

O Jorge e o "Furriel"
O Valente, o "Furriel" e o Jorge


sábado, 18 de junho de 2016



O REGRESSO


Eis-nos no dia 18 de junho de 1972. Faz hoje, precisamente 44 anos que regressamos após termos cumprido a missão que nos destinaram, mesmo a contra-gosto nosso.

O dia começou bem cedo, foi a última noite que dormimos, ou não, em terras africanas. Havia que preparar tudo para a viagem que nos esperava. Tínhamos que estar em forma, o desafio que se seguia a isso obrigava. A ansiedade era muita e o facto de ser para muitos o seu batismo de voo obrigava a que a parte psicológica estivesse a funcionar sem sobressaltos. Isto de andar pelo ar mete sempre um pouco de respeito.  De navio, de berliet, de unimog, de jeep e outros meios de transporte todos já tinham andado, mas de avião não.....Mesmo assim os nossos semblantes irradiavam confiança, bem ao contrário daqueles que tínhamos quando partimos de Lisboa, aí ele era carregado, demonstrava tristeza.

À hora conveniente, transportaram-nos do Campo Militar do Grafanil para a Base Aérea nr. 9, para fazermos a viagem num voo dos Transportes Aéreos Militares. Depois de cumpridas algumas formalidades subimos e entramos no aparelho. Quando o comandante do avião nos mandou apertar os cintos, para a descolagem, todos sentimos um nervoso miudinho, mas que foi logo quebrado por um sorriso de alegria e satisfação: enfim íamos deixar para trás a terra  onde nos sentimos muitas vezes amargurados.

A viagem correu sem incidentes. Uns aproveitaram para conversar com o parceiro do lado, quem sabe para falar do futuro, outros leram e muitos deixaram-se adormecer. Certo é que todos estavam atentos e ansiosos pela aterragem.

As horas foram passando, cerca de oito, e quando ouvimos, novamente, a voz do comandante do avião, a informar-nos que estávamos a sobrevoar Lisboa foi um delírio. Todos espreitaram pelas janelas; e lá estava ela majestosa e bonita com os braços abertos para nos receber. Houve uma explosão espontânea de alegria com palmas pelo meio. O nosso regresso a casa cada vez estava mais próximo.

Aterramos no Aeroporto Militar de Figo Maduro. Desembarcamos. Por lá já se encontravam muitos dos nossos familiares e amigos. Trocaram-se algumas palavras de circunstância. A alegria era imensa, lágrimas correram pelas faces de muita gente, mas também houve sorrisos. Era um ambiente totalmente oposto àquele que se viveu na partida.

Seguidamente transportaram-nos para o Regimento de Artilharia Ligeira nr. 1 (hoje RALIS) para fazermos o espólio do fardamento que ainda tínhamos. Tudo foi rápido. Finalmente podíamos vestir roupa da cor que mais gostássemos; Verde tão cedo não!!!!!!! Fizeram-se as despedidas, trocaram-se abraços e no meio de tanta alegria, também, se sentiu tristeza: íamos-nos separar daqueles que durante algum tempo foram os nossos companheiros e muitas vezes serviram-nos de apoio.

Cá fora os nosso familiares esperavam-nos ansiosamente e quando nos aproximamos aconteceu
o inevitável: abraços, beijos, mimos palavras bonitas e de encorajamento. Para eles éramos merecedores de tudo. E nós, que já tão diferentes estávamos!!!! tínhamos crescido com o tempo, ali sentimos-nos uns meninos............Assim, dentro deste espírito preparamos a viagem de regresso às nossas terras, às nossas casa, aos nossos locais preferidos e ao seio das nossas verdadeiras famílias e amigos.


Regimento de Artilharia Ligeira nr. 1 (Hoje Ralis)

sexta-feira, 17 de junho de 2016


ALMOÇO CONVÍVIO 2016

Em pleno Alto Minho, em Viana do Castelo, "Cidade que: Quem Gosta Vem. Quem Ama fica", conforme o combinado no almoço de 2015, realizou-se o 26º Almoço-Convívio  da CCS do nosso Batalhão. O evento foi organizado pelo nosso camarada Sérgio Xavier, e teve de sua parte grande dedicação e entusiasmo.

A concentração aconteceu junto à igreja da Senhora da Agonia e por volta das 10H00 começou a chegar o pessoal. Após os cumprimentos da praxe, como sempre, começou-se a pôr as conversas em dia, ou mesmo  recuando-se uns anos e falar-se dos tempos que passamos juntos.

Estiveram presente 94 convivas, sendo 40 militares e os restantes seus familiares e convidados. Como sempre notou-se a falta de alguém, uns que, por motivos vários, comunicaram que não podiam estar presentes e outros por situações menos agradáveis, e que tinham confirmado a sua presença, casos: do Armindo e do Zé Henriques. Só nos resta desejar a ambos uma rápida recuperação. No entanto, tivemos pela primeira vez em convívios o Costa, do SPM.

Seguidamente, dirigimos-nos para a igreja de S. Domingos onde foi celebrada missa comemorativa pelo Padre Castro, auxiliado pelo nosso camarada Raul, que com as suas sábias palavras fez ver a todos os presentes  o quanto representa o perdão para quem o pratica. 

Após o final da missa rumamos para a Quinta da Presa, onde foi servido o almoço. Antes do mesmo guardou-se um minuto de silêncio, ao toque de clarim, como homenagem a todos aqueles que já partiram. Comeu-se, bebeu-se, conversou-se e toda a gente se divertiu, num autentico ambiente que se pode considerar familiar. Para que a animação ainda fosse maior, fomos surpreendidos por elementos do Rancho Folclórico da Meadela, que com o seu repertório, autenticamente minhoto, conseguiram galvanizar todos os presentes. E foi vê-los a dançar "Viras" e outras "modinhas" próprias para estas situações.

Passou-se ao tradicional corte do Bolo comemorativo e brindou-se com espumante. 

Para finalizar a todos foi entregue um saco com várias lembranças, destacando-se, entre elas, um azulejo comemorativo deste encontro. 

Ficou resolvido que o próximo convívio, em 2017, será na cidade de Leiria e o seu organizador será o Domingues.

Enfim, serviu este convívio, como todos os anteriores, para alimentar  a amizade que existiu entre todos nós nos tempos difíceis que passamos juntos, tornando-a, assim, cada vez mais forte.

Para recordação apresenta-se a seguir fotos do encontro.