sábado, 24 de setembro de 2016


SARGENTO GREGÓRIO


Sabendo da proximidade que existiu entre a figura em assunto, vitima de um acidente de guerra, e o nosso amigo Raul, pedi-lhe para nos falar do mesmo. A seguir transcrevo o seu relato na íntegra. Esta é uma forma de nos podermos lembrar e homenagear um homem que nos deixou boas recordações.


Amigo Amaral, é com muito gosto que aceito falar do Sargento Gregório.
Naturalmente todos reconhecemos que já passaram 46 anos, mas este teste ao nosso alzheimer é bem aceite.
Pois bem, o Sargento Gregório era um homem simples e de bom trato. Notava-se perfeitamente que os seus conhecimentos administrativos podiam não ser muitos, mas foi-lhe entregue a responsabilidade de "levar" a nossa Companhia para Angola. E reconheçamos que tudo correu bem. Naturalmente que também ter como Comandante de Companhia o nosso amigo Capitão Fernandes, tornava o trabalho administrativo facilitado e eu que o diga, pois os Sargentos que se seguiram só faziam os mapas do rancho e pouco mais.
É verdade que apenas convivemos cerca de 5 meses e como bem sabem, apesar da "distância", hierárquica, foi gratificante conviver com o Sarg. Gregório. Podem ver pelas fotos que envio, são prova da pessoa simples e que fazia da tropa o seu futuro, mas sem "pisar" o seu subordinado. Convivia com grande naturalidade mais facilmente com as praças.  Depois foi para a sua Companhia que era a 2697 e, como se devem lembrar, pelo menos foi essa a notícia, morreu quando com outro camarada, manejavam armas. Enfim, ....... Paz à sua alma. Aproveito para lembrar que este desenlace ocorreu em 14 de Fevereiro de 1971.

Sinceramente fiquei muito satisfeito em recordar a memória do Sarg. Gregório e quero enviar-lhe o meu abraço onde quer que esteja.
Se eventualmente a sua família que é de Braga tomar este conhecimento, fico ao dispor para eventual contacto.

Realmente .......... AS ARMAS TAMBÉM UNEM OS HOMENS

Amigo Amaral, o meu abraço para ti e extensivo a todos os nossos antigos companheiros de armas.

Raúl Ramos
 
Armindo (SPM) - Pinto (Escrt) - Sarg.Gregório - Serralha (Maq) - Raul (Escit)

Sarg. Gregório - Raul
Raul - Sarg. Gregório

sábado, 10 de setembro de 2016

RAÇÃO DE COMBATE




A ração de combate é uma comida empacotada e que é facilmente preparada para ser consumida pelas tropas, quer em combate, quer em deslocações, quando não é possível ser-lhes servida uma alimentação convencional. Sendo uma refeição ligeira não deixa de cobrir as necessidades nutricionais básicas dos seus consumidores. Todos nós, uns em operações, outros nas deslocações que fizemos de Luanda para Henrique de Carvalho e vice-versa, tivemos a experiência do que é alimentarmos-nos de tal forma.


Foto enviada por Raul R.Ramos 

domingo, 4 de setembro de 2016


Monumento aos Combatentes do Ultramar



Este monumento foi construído em homenagem a todos aqueles que tombaram ao serviço da Pátria, durante a Guerra do Ultramar (1961 a 1974).

Para que se pudesse conceber o monumento houve que definir objetivos, sendo os mais importantes, os seguintes: 

1) - Cumprir um ato de justiça, de homenagem àqueles que, como Combatentes, serviram  Portugal no ex-Ultramar Português;

2) - Exercer uma ação cultural e pedagógica de exaltação do amor a Portugal; 

3) - Traduzir de uma forma simples, mas duradoura e pública, o reconhecimento de Portugal a todos esses combatentes.

Uma vez definidos os objetivos a tomar em conta no projeto do Monumento, houve que escolher o local em que este deveria ser implantado. Assim, e com a concordância do Exmo. Senhor Ministro da Defesa Nacional, do Estado-Maior do Exército, do IPPAR e da Câmara Manicipal de Lisboa, foi decidido construir o Monumento junto ao Forte do Bom Sucesso.





Fonte: Liga dos Combatentes
Foto:   Blog